03 maio

Mindfulness – Profissionais e empresas estão preparados? Parte 1

A Atenção Plena ou Mindfulness vem assumindo um papel de destaque não só nas empresas como também no comportamento do profissional.

A prática do Mindfulness não é difícil, mas exige perseverança e os benefícios são incontáveis. Neste e no próximo artigo vou apresentar minha visão sobre este assunto e resolvi publicar em partes devido a extensão do conteúdo.

Venha comigo.

O mercado atual está apresentando uma taxa de dinamismo sem precedentes em nossa história. Tudo muda, se aprimora com uma velocidade inimaginável e as empresas têm buscado novas ferramentas que as auxiliem a aumentar a agilidade organizacional, promover inovação e apresentar cada vez mais rapidamente um alinhamento com as necessidades do mercado.

Apenas o desenvolvimento tecnológico e a melhoria contínua dos processos, não são suficientes. Algo mais é necessário e a Atenção Plena – Mindfulness – vem ajudando muitas empresas a superar este desafio.

A prática da meditação, base para alcançar Mindfulness, já existia nas religiões orientais alguns séculos antes de Cristo e podemos dizer que Mindfulness descreve um estado de estar presente no momento presente, não mantendo os pensamentos nem no passado e nem no futuro, abandonando também o ato de pensar julgando, característica esta que falaremos em um outro artigo.
O uso de Mindfulness permite que se pare em meio ao influxo constante de estímulos para decidir conscientemente como agir, em vez de reagir reflexivamente com padrões de comportamento arraigados. A atenção plena, portanto, é perfeitamente adequada para contrabalançar os desafios da era digital de sobrecarga de informações e constante distração.

Trabalhos acadêmicos realizados por Jon Kabat-Zinn, médico e professor da Escola Médica da Universidade de Massachusetts, despiu todas as práticas religiosas da Mindfulness, utilizando-a de forma terapêutica em sua Clínica de Redução do Stress e do Centro de Atenção Plena em Medicina da mesma Universidade.

Os benefícios da atenção plena são claros e comprovados por inúmeras experiencias não só em Universidades e grandes empresas como também individualmente, por pessoas comuns que aplicamos a técnica em nosso dia a dia.

Os programas de conscientização ajudam os gestores e seus colaboradores a refletir de forma eficaz, concentrar-se nitidamente na tarefa, dominar os níveis máximos de estresse e recarregar rapidamente suas energias. Em nível organizacional, a atenção plena reduz os dias de afastamento por doença, aumenta a confiança na liderança com consequente engajamento dos colaboradores.

Os resultados obtidos com a prática da Atenção Plena vêm aumentando continuamente o interesse no assunto, tanto que operadoras e fabricantes de telefonia móvel já incorporam em seus sistemas, aplicativos com exercícios dirigidos para a prática de Mindfulness.

Tudo que é novo torna-se desafiador. A mudança de hábito é dificílima, portanto para a implantação de Mindfulness nas empresas muitas barreiras devem ser derrubadas. Mesmo para os colaboradores que estão ansiosos para experimentar a atenção plena, mas acham difícil começar. Para liberar o poder da atenção plena, as empresas terão que adotar uma abordagem holística à agilidade corporativa.

A atenção plena permite que as pessoas fortaleçam radicalmente sua capacidade de se adaptar rapidamente a circunstâncias em evolução e situações ambíguas e aumentar a velocidade com que aprendem coisas novas. Cria agilidade mental e ajuda as pessoas a olhar para dentro e encontrar respostas.

Daniel Goleman, psicólogo em Harvard (autor de Inteligência Emocional, Foco, etc.) e Richard J. Davidson, neurocientista da Universidade de Wiscosin apresentam em seu livro Altered Traits (inédito no Brasil) uma visão cientifica dos benefícios da atenção plena. Eles sintetizam três benefícios comprovados de mindfulness que, em combinação, permitem que as pessoas ajam de forma mais eficaz em ambientes imprevisíveis:

Permanecendo calmo e de mente aberta – Práticas de atenção plena, como a meditação com foco na respiração reduzem a inclinação para interpretar um ambiente incerto como uma ameaça e, assim, reagir defensivamente. Desta forma, a atenção plena melhora a agilidade mental, permitindo que as atitudes mudem de “mas sempre fizemos assim” para “vamos ver o que acontece se tentarmos uma nova abordagem”.
Facilidade no Aprendizado. – A atenção plena melhora a memória de curto prazo e a capacidade de realizar tarefas complexas. Também libera as pessoas para pensar fora da caixa, o que as ajuda a superar a complexidade.
Foco e clareza do pensamento – Manter um foco forte neste tempo de sobrecarga de informação digital, é essencial. A prática regular de rotinas de mindfulness pode reduzir a divagação e a distração. A atenção plena fortalece a consciência de ambas as atividades no momento presente.

Ao fornecer esses benefícios individuais, a atenção plena aumenta o potencial de iniciativas de agilidade corporativa e transformações ágeis. Ajuda as pessoas a inspecionar e adaptar seus comportamentos em ciclos curtos, relaxar para que possam reconectar as atitudes estabelecidas e pensar com clareza em meio a fortes estímulos. Em síntese, a atenção plena facilita agir em um contexto ambíguo e complexo.

No próximo artigo, vamos discutir alguns cases de Mindfulness nas empresas, bem como a sua implantação e a utilização nos processos de Coaching.

Loading Facebook Comments ...

Leave A Reply